terça-feira, 1 de setembro de 2009

LARANJINHAS DE OURO...

A abundância de cítricos no Brasil ocorre nos meses do inverno, quando não temos muita vontade de coisas frias, mas a sabedoria popular diz que nesta época temos bastante laranja, tangerina, limão e poncan justamente para nos fartarmos de Vitamina C e fortalecermos o sistema imunológico, já que o frio costuma ser propício para resfriados e gripes.
Mas eis que um pesquisador da Embrapa não a considera como do gênero CITRUS e sim do Fortunella. Informação que não tem a pretensão de tirar o sono de ninguém. Veja a informação e outra receita aqui.
Quando vi as kinkans no supermercado lá em Brotas, por um preço justo e que estavam bem firmes e bonitas, imediatamente me lembrei que havia visto e babado pela compota que a Neide mostrou. Lembrei também que ela, mesmo demonstrando ser mais metódica e organizada que eu, havia feito a compota com medidas proporcionais e muito intuitivamente.
E então, mais uma vez entra em cena o meu jeitão:
Primeiramente botei numa panela onde caberiam as laranjas: água, açúcar, alguns cravinhos e pauzinhos de canela e fui fazendo a calda.
Comecei a cortar as laranjinhas. Mas achei um trabalho tão chato e monótono, ainda mais pra quem não tem muita paciência de ficar parada e assim logo pedi ajuda para o meu filho. Portanto ganhei tempo e enquanto ele cortava eu retirava o centro e as sementinhas com uma tesoura.
Com a calda já grossinha, dei uma lavada nas laranjas e as mandei para o banho quente e doce.
Uns 10 a 15 minutos depois, estava pronto meu doce de laranjinhas.
É um doce agradável com um leve toque amargo das casquinhas. Adoramos comer com queijo fresco, requeijão e sorvete.



Um comentário:

Silvana Nunes .'. disse...

Realmente, onde tudo acontece mesmo. para mim é um ganho a mais de peso (rs).
Delicioso o seu espaço.
Saudações Florestais !